pessoa-assina.png

Selected Poems

Ó sino da minha aldeia,

Dolente na tarde calma,

Cada tua badalada

Soa dentro da minha alma.

 

E é tão lento o teu soar,

Tão como triste da vida,

Que já a primeira pancada

Tem o som de repetida.

 

Por mais que me tanjas perto

Quando passo, sempre errante,

És para mim como um sonho.

Soas-me na alma distante.

 

A cada pancada tua

Vibrante no céu aberto,

Sinto mais longe o passado,

Sinto a saudade mais perto.
 

Fernando Pessoa, Poesias. Lisboa: Ática, 1942 (15ª ed. 1995), pp. 93-94

O church bell of my village,

Each of your plaintive tolls

Filling the calm evening

Rings inside my soul.

And your ringing is so slow,

So as if life made you sad,

That already your first clang

Seems like a repeated sound.

However closely you touch me

When I pass by, always drifting,

You are to me like a dream—
In my soul your ringing is distant.

With every one of your clangs

Resounding across the sky,
I feel the past farther away,
I feel nostalgia close by.

Fernando Pessoa, A Little Larger Than the Entire Universe. Selected Poems, Edited and Translated by Richard Zenith, London: Penguin Books, p. 277

IPO_logo_branco.png